Jornal Mais Expressão - Indaiatuba
Jornal Mais Expressão. Conteúdo gratuito e de qualidade!
Central de Relacionamento

Aracy Balabanian, a eterna Dona Armênia e a icônica Cassandra, morre no Rio aos 83 anos

Aracy estava internada na Clínica São Vicente, na Gávea, na Zona Sul do Rio de Janeiro, e lutava contra um câncer de pulmão desde o fim do ano passado.

 Publicado em  07/08/2023 às 12h26  São Paulo Capital  Variedades


Aracy Balabanian, em Cheias de Charme

Aracy Balabanian, em Cheias de Charme
Foto: Raphael Dias/TV Globo

Por G1 Rio

A atriz Aracy Balabanian, a icônica Dona Armênia de "Rainha da Sucata" e a impagável Cassandra de "Sai de Baixo", morreu na manhã desta segunda-feira (7), aos 83 anos.

Aracy estava internada na Clínica São Vicente, na Gávea, na Zona Sul do Rio de Janeiro, e lutava contra um câncer de pulmão desde o fim do ano passado. A causa da morte não foi revelada.

Uma das últimas imagens de Aracy foi de um encontro com Claudia Raia e o filho, Luca, em uma visita ao Rio de Janeiro no mês passado.

Sul-matogrossense de ascendência armênia

Filha de imigrantes armênios, ela nasceu em 22 de fevereiro de 1940 em Campo Grande, em Mato Grosso do Sul.

Aracy se reconheceu como atriz aos 12 anos de idade, já morando na cidade de São Paulo com a família. Ela foi levada pelas irmãs mais velhas para assistir a uma peça de Carlo Goldoni com a companhia de Maria Della Costa.

“Eu chorei muito. Estava emocionada porque era aquilo que eu queria. É muito difícil para uma criança de 12 anos, ainda mais naquela época, querer ser atriz e já perceber que ia ter muitas dificuldades”, disse Aracy ao Memória Globo.

Para realizar o sonho de estar nos palcos, a menina teve que driblar a rejeição do pai, que era contra a filha seguir a carreira. “Eu comecei numa época em que não era bonito fazer televisão, nem teatro”, lembrou.

Elogios aos 14 anos

Mas Aracy venceu a resistência em casa e, aos 14 anos, foi convidada por Augusto Boal — então diretor do Teatro de Arena — para um teste no Teatro Paulista do Estudante.

Ela passou, e o primeiro trabalho foi a peça 'Almanjarra', de Arthur Azevedo, que lhe valeu elogios dos críticos Décio de Almeida Prado e Sábato Magaldi. “Eles escreveram uma crítica que terminava dizendo: ‘Aracy Balabanian: guardem esse nome’. Eu fiquei possuída”.

Fez vestibular aos 18 anos para a Escola de Arte Dramática de São Paulo e para Ciências Sociais, na USP – este, atendendo ao desejo do pai. Aprovada em ambos, abandonou o último no terceiro ano para se dedicar totalmente ao teatro.

Participou de espetáculos encenados pelo Teatro Brasileiro de Comédia, o TBC – entre eles, 'Os Ossos do Barão', de Jorge Andrade, em 1963 – e integrou o elenco da primeira montagem no Brasil do musical 'Hair,' em 1969, dirigido por Ademar Guerra.

A partir de então, Aracy Balabanian deu vida a diversos personagens que ficaram marcados na memória do público. Entre eles estão Gabriela, do programa infantil “Vila Sésamo”, em 1973.

A atriz passou dois anos trabalhando na Rede Manchete. Lá, entre 1986 e 1988, ela integrou o elenco das novelas “Mania de Querer” e “Helena”.

A atriz voltou para a Globo em 1989, interpretando Maria Fromet em “Que Rei Sou Eu?”.

 

Galeria de mídia desta notícia

  • Aracy Balabanian, em Cheias de Charme

    Aracy Balabanian, em Cheias de Charme
    Foto: Raphael Dias/TV Globo

Frutos de Indaiá

O Troféu Frutos de Indaiá tem o significado de sucesso e vitória. Uma premiação pelo esforço contínuo e coletivo em direção à excelência.

Confira como foi o Frutos de Indaiá 2022.

COMPARTILHAR ESSE ITEM