22 de Março de 2019
Central de Relacionamento

Cultura realiza seleção dos artistas locais que irão participar do 26°Maio Musical

Fernanda Porto, Nelson Ayres e Roberto Sion compuseram o júri


13/03/2018 às 13h41

Indaiatuba    Cultura e Diversão

Representantes do 26°Maio Musical

Representantes do 26°Maio Musical - Foto: Georgia Couto


A Secretaria Municipal de Cultura realizou na sexta-feira, dia 09, no Centro de Convenções Aydil Bonachella, a seleção dos artistas locais interessados em participar da programação Maio Musical. Fernanda Porto, Nelson Ayres e Roberto Sion compuseram o júri para a escolha dos candidatos. Os artistas selecionados serão divulgados posteriormente, no lançamento do 26º Maio Musical.

As inscrições ocorreram no período de 1 a 28 de fevereiro de 2018. Para participar os interessados deveriam residir no município e apresentar um projeto musical com nome da apresentação, release, ficha técnica, mapa de palco, vídeo do show a ser apresentado ou o de um show anterior e orçamento.

O tradicional projeto da Cultura, tem como objetivo fomentar o interesse do público pela produção musical, estimular os diversos elos da cadeia produtiva da música e divulgar o trabalho de artistas de Indaiatuba com espetáculos gratuitos durante todo o mês de maio. Informações (19) 3894-1867.

Sobre o Juri

Fernanda Porto

Começou a estudar piano na adolescência com a intenção de entrar para uma faculdade de música. Entrou para o curso superior aos 16 anos e menos de um ano depois, já quis aprender composição e regência, tendo sido aluna de H.J. Koellreuter. Formou-se em composição e canto lírico. Cantava música pop desde o início dos anos 90, além de ter feitos produções e participado de trilhas sonoras. Em 1997 conheceu o DJ Xerxes, que a apresentou a sonoridade do drum and bass, que encantou a artista. Conheceu o DJ Patife, que fez um remix música “Sambassim” (Fernanda Porto - Alba Carvalho), retirada de uma gravação demo. Antes de estourar no Brasil, a música foi um sucesso em pistas de dança do mundo inteiro, principalmente na Europa, ganhando elogios de revistas especializadas como DJ Mag, Jockey Slut e The Face. Com o sucesso do remix de “Sambassim”, Fernanda viajou pela Europa, recebendo um convite da gravadora Irma Records para gravar o primeiro CD. Porém já estava sendo sondada pela gravadora Trama, com quem fechou contrato. Em 2002 gravou o primeiro CD, "Fernanda Porto", no qual compôs todas as canções inéditas, algumas sozinha, outras em parceria, fez os arranjos de programação, além de tocar violão, piano, guitarra e percussão. O disco fez sucesso e recebeu o Disco de Ouro, puxado pelos hits “Sambassim” (Fernanda Porto / Alba Carvalho), "Tudo de bom" (Fernanda Porto / Lyna de Albuquerque), "Amor errado" (Fernanda Porto / Edu Ruiz), "De costas pro mundo" (Fernanda Porto) e “Só Tinha De Ser Com Você” (Tom Jobim / Aloysio de Oliveira), única regravação do disco. Em 2003 gravou algumas vozes no CD que marcou a volta do Living Colour, uma das bandas mais conceituadas dos Estados Unidos. Em 2004 gravou o segundo CD, "Giramundo", em que diversifica a sonoridade de sua música, e tem como destaque a regravação de "Roda viva", cantada em dupla com o autor da música, o compositor Chico Buarque. Em 2006 troca a Trama pela gravadora EMI e lança o CD e DVD "Fernanda Porto Ao Vivo", com regravações de músicas de seus dois primeiros CDs e canções inéditas, além das participações especiais de Daniela Mercury, Edgar Scandurra e DJ Zé Pedro. Em 2009 Fernanda volta a trabalhar com as sonoridades eletrônicas no CD "Auto.Retrato", onde todas as músicas são de autoria de Fernanda, algumas em parceria.

 

Nelson Ayres

Produtor musicalarranjadorinstrumentista (pianista), regente e compositor

Foi o primeiro brasileiro a cursar o afamado Berklee College of Music em Boston. Nos Estados Unidos tocou e gravou com Airto Moreira e Flora Purim, Astrud Gilberto no auge de seu sucesso, Ron Carter, Walter Booker, Vitor Assis Brasil e outros músicos de peso.

Na volta para o Brasil criou a Big Band de Nelson Ayres, considerada o principal núcleo de revigoração da música instrumental paulista da década de 70. Foi também figura de destaque nos dois legendários Festivais de Jazz São Paulo/Montreux, apresentando-se ao lado de Benny Carter, Dizzy Gillespie e Toots Thielemans.

A década de 80 foi dedicada ao Pau Brasil, um quinteto que desde então continua sendo referência na música instrumental brasileira. O grupo fez diversas tournées pela Europa, EUA e Japão, além de gravar vários discos lançados internacionalmente.

Com César Camargo Mariano, estrelou em 1984 o espetáculo Prisma, primeiro show brasileiro a usar intensivamente recursos de computação aliados a instrumentos eletrônicos.

Na década de 90, Nelson Ayres voltou-se novamente para a música orquestral, atuando por nove anos como regente e diretor artístico da Orquestra Jazz Sinfônica do Estado de São Paulo, sendo o principal responsável por seu enorme sucesso. Tem regido freqüentemente outras orquestras no Brasil e no exterior, incluindo a prestigiosa Orquestra Filarmônica de Israel, considerada uma das melhores do mundo, que recentemente esteve no Brasil sob a regência de Zubin Mehta.

Composições de Nelson Ayres foram gravadas por César Mariano, Milton Nascimento, Herbie Mann, Kenny Kotwick, Joyce, Daniel, Ivan Lins, e Marlui Miranda, entre outros.

A partir de 2000 voltou a dedicar-se ao piano, liderando o Nelson Ayres Trio.

Pode também ser visto ao piano com o grupo Pau Brasil e também com o Trio 202, ao lado de Toninho Ferragutti (acordeon) e Ulisses Rocha (violão). Foi Presidente do Júri do Prêmio Visa de Música Brasileira, e apresentador do programa Jazz & Cia da TV Cultura.

Em dezembro de 2008, John Neshling e a Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo encerraram o ano apresentando o Concertino para Percussão e Orquestracomposto por Nelson Ayres, e o Concerto Antropofágico com Nelson Ayres ao piano e co-compositor e o grupo Pau Brasil. Nesse mesmo mês foi lançado o CD do filme O Menino da Porteira, cuja trilha sonora (Melhor Trilha Sonora de 2009 2º Festival de Cinema de Paulínia) é assinada por Nelson Ayres, com sua composição Vida Estradeira interpretada pelo cantor sertanejo Daniel.

Realizações musicais assim tão distintas, inconcebíveis em outros artistas, demonstram a amplidão da capacidade musical deste pianista, compositor, arranjador e regente, amplamente reconhecido como umas das personalidades mais importantes da música instrumental brasileira contemporânea, um constante inovador.

Iniciou sua carreira na década de 60, dividindo o palco com outros estudantes que traziam para São Paulo o nascente movimento da bossa nova, como Taiguara, Toquinho e Chico Buarque.

Roberto Sion

Um dos mais atuantes e respeitados nomes da música instrumental brasileira, Roberto Sion, além de saxofonista, flautista e clarinetista, é reconhecido pelo trabalho de compositor, arranjador, maestro e professor. Foi vanguardista na utilização sinfônica de elementos do jazz e da música brasileira, em um estilo que se tornou sua marca registrada. Estudou na Berklee School of Music e se aperfeiçoou no saxofone com Joseph Viola, Ryo Noda, Lee Konitz e Joe Allard. Desenvolveu e aprimorou a carreira de compositor e arranjador e estudou análise e composição com Damiano Cozzella, Olivier Toni, Willy C. de Oliveira e H. J. Koellreutter. Tem em seu currículo sete álbuns e apresentações como solista nos Estados Unidos, Japão, Israel e em vários países da Europa.

Psicólogo formado pela Unicamp aos 25 anos, Sion enveredou pela música quando se mudou para Boston, nos Estados Unidos

Entre outros professores de Sion, figuram o japonês Ryo Noda, 68, exímio saxofonista que escreveu várias obras para o saxofone clássico; o norte-americano Lee Konitz, 88, saxofonista do estilo cool e post-bop; e Joseph Allard (1910- 1991), norte-americano, professor de sax e clarinete da Juilliard School, New England Conservatory e da Manhattan School of Music, entre outras instituições de ensino.

Sion voltou para São Paulo e estudou mais música ainda, especialmente composição, análise e arranjo. Os professores, só feras: Damiano Cozzella (arranjador), Olivier Toni (maestro) e o músico e esteta H. J. Koellreutter (1915-2005). Tocou e gravou com Deus e o mundo. Entre tantos, acompanhou Toquinho e Vinicius de Moraes (1913-1980) em vários shows dentro e fora do país.

Entre os anos 1980 e 1990, Sion se dedicou ao grupo Pau Brasil. Um projeto que envolveu uma longa pesquisa aliada a muitos ensaios em busca de uma linguagem musical brasileira bem estruturada. Uma proposta nova que fugia da forma tema-improvisação-tema. Os temas eram mais voltados para a rítmica brasileira, com mais arranjos elaborados e menos solos improvisados. Uma espécie de jazz brasileiro de câmara. Um sucesso até hoje. Quando o grupo se reúne, os shows ficam lotados.

Na discografia de Sion há 11 “bolachas”. Todas ainda excelentes para serem consumidas, pois seus prazos de validade nunca expiram.



Galeria de mídia

Não há fotos e vídeos disponíveis.



Comentários

*Leia o regulamento antes de comentar
Frutos de Indaiá

Conheça o maior evento de premiação de Indaiatuba.

Frutos de Indaiá